Publicações mais recentes

BALANÇO PLUVIOMÉTRICO 1973 ATÉ 2010 – MÊS DE MARÇO

 

ANOS MÊS DE MARÇO (mm.) TOTAL DO ANO (mm.)
1973 183 1165,5
1974 385,9 1583,2
1975 62,8 1164,8
1976 75,4 1308,2
1977 196,6 969,8
1978 19,7 741,8
1979 114,6 846,3
1980 127,1 1177,3
1981 FALHA FALHA
1982 183,7 1650,1
1983 328,6 2096,1
1984 68,8 901,2
1985 141,7 1028,7
1986 240,2 1440,1
1987 132,9 1496,7
1988 305,4 1220,8
1989 69,4 1300,2
1990 182,2 1326,3
1991 428 1680,2
1992 145,9 1277
1993 87 1393
1994 87,6 1195,4
1995 112,4 1666,4
1996 158,4 1598,3
1997 48,6 1471,1
1998 154,6 1352
1999 182,3 1442,8
2000 263,1 1429,4
2001 176,6 1333,7
2002 214,9 1529,6
2003 84,9 1117,3
2004 58,4 1467,8
2005 104,6 1037,3
2006 210,2 1251
2007 57,1 1438,1
2008 93,2 1021,6
2009 142,4 1203,4
2010 143,3 1207
2011 Mês corrente – sem dados Jan. + Fev = 770,4

 

OBSERVAÇÕES:

Mês corrente ( trata-se do mês atual) os dados só serão completados no início de Abril

1991: MARÇO MAIS CHUVOSO COM 428 mm. (RECORDE MENSAL);

1978: MARÇO MENOS CHUVOSO 19,7 mm

1981 : FALHA NA COLETA DE DADOS;

1983: ANO MAIS CHUVOSO 2096,1 mm.

2004: MAIOR ÍNDICE PLUVIOMÉTRICO DIÁRIO EM DEZEMBRO ( 126,8 mm );

 

MÉDIA = 1311,61 mm. ( 37 anos ) – desconsiderando 1981 (falha)

 

 

CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS NO INÍCIO DE MARÇO 2011

MARÇO:

¨AGUAS DE MARÇO FECHANDO O VERÃO¨

Na região SUDESTE do BRASIL, é histórico a ocorrência de muitas instabilidades atmosféricas, devido às tendências transitórias do ambiente quente e muito úmido para o ambiente frio e seco que é o Inverno e da estação Outono.
Portanto, gradativamente teremos a cada aguaceiro como está acontecendo neste início de Março, chuvas mais contínuas e temperaturas mais baixas principalmente na máxima do dia. Na sequência, teremos a recuperação da temperatura máxima com a volta do calor e abafamento, que é um fator preponderante da física atmosférica ou seja, vem o calor, abafamento e dá a condição de formação de frente fria, que se aproxima e é muito perigoso nessa condição, chuvas fortes, ventos e chances de granizo e muitas descargas elétricas atmosféricas.
Portanto, teremos ainda até o final desta sexta feira, condições de chuvas contínuas, grande enxarcamento do solo que já estão bem saturados, tendendo a deslizamentos e rompimentos de taludes.

Apresentação na Câmara Municipal de Limeira

Veja abaixo o vídeo da apresentação do protótipo de alerta de enchentes na Câmara Municipal de Limeira:

Balanço Meteorológico – Fevereiro 2011

 

TOTAL DE CHUVAS: 186,3 mm.

Nº DE DIAS COM REGISTRO DE CHUVA: 12

Nº DE DIAS SEQUENTES COM REGISTRO DE CHUVAS: 6 PARES DE DIAS:

DIAS 2 e 3 – 13 e 14 – 16 e 17 – 21 e 22 – 24 e 25 – 27 e 28

Nº DE DIAS COM CHUVAS NÃO SEQUENTES: 0

Nº DE DIAS SEM CHUVAS: 16

N° DE DIAS SEQUENTES SEM CHUVA (estiagem): 9 DIAS – 3 a 13

MAIOR PRECIPITAÇÃO: 52,2mm. DIA 25

VELOCIDADE MÁXIMA DO VENTO: 35,1 km./h dia 10


TEMPERATURA MÁXIMA :

1- Abrigo meteorológico: 34,0°C

2- Externa à sombra: 38,9°C


TEMPERATURA MÍNIMA :

1- Abrigo meteorológico: 19,9°C

2- Externa do abrigo à sombra: 19,4°C

Obs.: DA MÉDIA ANUAL – 58,7% JÁ PRECIPITADOS
TOTAL DE CHUVAS ACUMULADAS NO ANO: 770,4 mm
MÉDIA = 1311,61 mm. ( 37 anos ) – desconsiderando 1981 (falha)