Publicações mais recentes

FT-Unicamp desenvolve sensor para avisar pedestres e motoristas sobre enchentes

Prof. Hiroshi e o aluno Estevão na apresentação do projeto

Estudantes e professores da Faculdade de Tecnologia (FT/Unicamp) de Limeira desenvolveram um sensor que serve para evitar acidentes e prejuízos à população nos dias de chuva com ocorrência de enchentes.

O sistema é simples e pode salvar vidas. Funciona como um semáforo, que indica se o volume de água permite a passagem das pessoas, seja de carro ou a pé. Quando os motoristas se aproximarem de áreas de risco, onde há alagamentos, o sensor vai indicar, por meio de um sinal verde, amarelo ou vermelho, se existe condição para passagem. O verde indica que é possível, o amarelo (para alguns tipos de automóveis) e o vermelho, que há perigo.
O professor de Hidrologia do Ceset/Unicamp, Hiroshi Paulo Yoshizani, foi até a Câmara Municipal anteontem, e fez o uso da Tribuna Livre para demonstrar o protótipo e levantar a questão, com o objetivo de ganhar apoio dos parlamentares e levar a ideia até o prefeito Silvio Félix (PDT).
De imediato, ele recebeu a mensagem de que o projeto é bem-vindo, apesar da necessidade de que seja trabalhada a prevenção aos alagamentos.
Trabalharam no protótipo, além de Hiroshi (que idealizou o sensor), o professor de Eletrônica do curso de Sistemas em Telecomunicações da Unicamp, Francisco Arnold, além dos estudantes Estevão Nicoletto e Rodrigo Ximenes.
Hiroshi explicou que as placas com os sensores podem ser instaladas onde houve risco de alagamentos, para evitar acidentes como quedas de pedestres ou mesmo de veículos em buracos. “A proposta é que as placas sejam pintadas e quando a água atingir a marca dos 20 centímetros, o sinal verde acenda, quando passar dessa marca, o amarelo acenda, e assim, quando o vermelho for acionado, fica advertido que a passagem não deve ser feita”, concluiu.

MORTE RECENTE
Luciana de Souza Ferreira, 35 anos, moradora do Campo Belo, desapareceu no início da madrugada do dia 6 de janeiro e seu corpo foi encontrado por volta das 14h30, no Ribeirão Tatu, no Bairro do Tatu. Ela e seu carro foram arrastados pela correnteza durante o temporal que devastou várias regiões da cidade, quando tentava a travessia em um dos pontos mais críticos, na entrada do Bairro Cecap, onde o córrego Barroca Funda transbordou.

Fonte: Bruna Lencione – Gazeta de Limeira (http://www.gazetadelimeira.com.br/Noticia.asp?ID=46085)

TWITTER DO PROFESSOR HIROSHI

Agora também estou no twitter, irei divulgar muitas informações. Me sigam @profhiroshi

Limeira – Características Gerais

 

 

 

Localização Geográfica:

Latitude Sul => 22º 33’ 52”
Longitude Oeste => 47º 24’ 17”
Altitude Média => 567 m

Situação Dentro do Estado:

Depressão periférica entre os rios Piracicaba e Mogi-guaçu

Relevo: Colinas Baixas, e morrotes
Principal Elevação: Morro Azul (831 m) – formação escarpa
Hidrografia: Bacia do Médio Tietê
Principais Ribeirões: Ribeirão da Geada, Ribeirão da Graminha, Ribeirão Pinhal, Ribeirão dos Pires e Ribeirão Tatu ( todos afluentes do Rio Piracicaba e Jaguari ).

Clima: Temperado com inverno seco
Temperatura Média Anual: 22ºC
Temperatura Média no Verão: 31ºC
Precipitação média : + 1311,6 mm
Vento de superfície predominante : Norte-nordeste/Norte/ Norte Noroeste
Situação Geográfica: Média Paulista

Solo: Rocha do Grupo Tubarão (arenitos, siltitos e argilitos, com alguns sills de diabásio, onde se exploram as pedreiras). Solos profundos, latossolos vermelho-amarelo,solos lateríticos, argisolos algumas pequenas manchas de terra roxa, solos arenosos e colapsíveis, e solos hidromorfos nas planícies aluvionares.

Flora: Matas, e capoeiras degradadas, pela ocupação desordenada, porém com algumas manchas remanescentes da mata atlântica. Predomínio de espécies decíduas, e espécies nativas como Ipê amarelo do cerrado, Ipê amarelo do brejo, Ipê roxo do brejo, Ipê rosa, Farinha seca, Figueiras, Embaubas, Guapuruvu, Cabreúva, Guaçatonga, Guarantã, Jambolão, Sangue d’água, Jacarandá, Paineira, Figueira branca, Goiabeira, Caroba, Pau d’óleo, Capixingui, Jequitibá rosa, Jequitibá branco, Peroba rosa (raríssimo) Coqueiro jerivá, Pau formiga, Pau d’álho, Cambará, e muitas invasoras ¨ leucena ¨nos talvegues e no entorno das estradas municipais

Fauna: Pequenos animais silvestres como veado campeiro, tatu de várias espécies, lontras, lebres silvestre, gambás, capivaras, jaguatiricas, cachorro selvagem, e outros.

Pássaros : Pássaros de diversas espécies de nome popular, como andorinha, anu branco, anu preto, avinhado, beija flor, bem-te-vi, bico de lacre, canário da terra, chupim, coleirinha, correntina, corruíra, coruja, frango d’água, garça, gaviões cará-cará, gavião pato, joão de barro, maritaca, pardal, paturi, pintassilgo, pombos, papa capim, sabiá poca, sabiá laranjeira, sanhaço, saracura, sebinho, siriema, tico-tico, tizio, tucano, tuim, urubu, vira do brejo,

Estas informações tem como base e fonte, IBGE, ALMANAQUE-Limeira, e observações locais didáticas, com base em GEOLOGIA AMBIENTAL, CLIMATOLOGIA E GEOGRAFIA REGIONAL.

Obs.: Este material tem cunho didático e está em constante atualização e em desenvolvimento por pesquisa do autor, cabendo ao leitor sugestões e correções para melhorar o conteúdo.

e_mail :
hiroshi55ster@gmail.com
hiroshiy@ft.unicamp.br
 

Temperaturas – Janeiro, Fevereiro e Março